1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer

Informativo CEA

Amar os próprios inimigos, fazer o bem, não odiar: um eco do sétimo domingo após a Epifania para a Quaresma.

150319

Jesus nos adverte para não reproduzirmos a lógica mundana das relações baseadas na violência. Vingança, revanchismo são inconciliáveis a ética do Reino, estão em desarmonia com o evangelho. Não há lugar para condutas autoritárias, punitivas, elitistas, classistas, excludentes. Nossas relações cotidianas estão permeadas por essas atitudes, mecanicamente as reproduzimos, estão banalizadas. É preciso resistir a essas estruturas perversas. Cristãos e cristãs que as praticam dão mal testemunho, vivem um anti Evangelho, uma apostasia, que não significa afastamento de instituições ("estar longe de" na etimologia grega). Agindo assim, transformam a imagem cristã em fundamentalista, intolerante, irrefletida e com um nítido projeto de poder para anular a diversidade humana. “Por vossa causa, o nome de Deus é blasfemado entre todos os povos!” (Rm 2.24).

Quando afirma ‘sejam misericordiosos’(v.36), nos convoca a atitudes que desmontem, desarmem quem nela crêem como a lógica das nossas relações intersubjetivas. Cabe aprender de um Deus que é misericordioso, e que as relações e experiências cotidianas sejam permeadas dessa misericórdia. Estar em uma constante atitude reativa, de violência verbal, mostrada através de insultos, desqualificação pessoal, xingamentos, palavras danosas que têm a intenção de ridicularizar, humilhar, manipular e/ou ameaçar...

Em Efésios 4:30-32 vemos “Não entristeçais o Espírito Santo de Deus, com o qual fostes selados para o dia da redenção. Toda amargura, cólera, ira, gritaria e blasfêmia sejam eliminadas do meio de vós, bem como toda a maldade! Pelo contrário, sede bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando uns aos outros, da mesma maneira como Deus vos perdoou em Cristo”. Aconselha-nos o Salmo 37.8 “Evite a ira e rejeite a fúria; não se irrite: isso só leva ao mal. (NVI).

Essa nova forma de se relacionar deverá ser baseada na convicção das fragilidades e limitações de cada um, o que dará lugar à correção fraterna e respeitosa e uma vida em comunidade guiada pela justiça de Deus.

Jesus designa o perfil de quem está disposto a escutar o Evangelho: amar os próprios inimigos, fazer o bem, não odiar, dizer bem; orar por aqueles que nos maltratam; dar a quem nos pede, sem esperar retribuição; não julgar. A regra de ouro que resume todo o discurso é: “Como quereis que os outros vos façam, fazei vós também a eles” (v.31).

Se alguém procura instintivamente o próprio bem pense que também as outras pessoas o procuram. Se duvida como tratar o próximo, consulte seus próprios desejos. Não somente tratar como tratam, mas como desejaria que o tratassem. Colocar-se no lugar do outro, intuir seus desejos, sentindo-os. Ben Sirac, no livro deuterocanônico de Eclesiástico, capítulo 31,16 aconselha: “Pensa que teu vizinho é como tu”.

O Cristão não deve erigir-se em juiz do próximo, não deve condenar sem razão, ser indulgente. Isso não suspende o juízo de valores que é parte integrante do sentido moral.
Todas as pessoas desejam ser amadas, compreendidas e servidas, por isso, todos devemos amar compreender e servir. Devemos ser diferentes das pessoas que vivem a reciprocidade: devemos viver a gratuidade, ser diferentes dos que desejam a vingança: devemos ser misericordiosos. Os critérios do nosso agir em relação aos outros não pode ser o agir dos outros, mas sim o próprio Deus, que não nos trata segundo nossas faltas, mas ama a todas as pessoas, indistintamente. Se vivermos segundo esse critério, seremos chamados filhos e filhas do Altíssimo.

Iniciemos nossas orações pelos que nos ofenderam ou agrediram, seja com palavras ou com atos. Supliquemos a graça de amar como Jesus amou. Intercedamos por todos os que nos prejudicaram intencionalmente ou não. Peçamos a misericórdia de Deus por nós e por eles. Peçamos ao Espírito Santo, que é capaz de transformar corações, tornando-os sensíveis à Vontade de Deus. Relembremos as vezes que amamos os difíceis, Sintamos alegria de ter imitado Jesus. Louvemos e agradeçamos, pois foi a Graça e não mérito nosso.

“Não vos deixe vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem.” (Rm. 12,21).

Gustavo Correia
Missão da Liberdade, Jaboatão dos Guararapes/PE – Diocese Anglicana do Recife.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Novidades CEA

Reflexões Nº8 – Centro de Estudos Anglicanos…

Reflexões Nº8 – Centro de Estudos Anglicanos

ões da Conferência de Lambeth 199

Read More...

Reflexões Nº9 – Centro de Estudos Anglicanos…

Reflexões Nº9 – Centro de Estudos Anglicanos

de Virgínia(Reátório da Comiss

Read More...

Reflexões Nº6 – Centro de Estudos Anglicanos…

Reflexões Nº6 – Centro de Estudos Anglicanos

ia Anglicana: Evolução, Diversidad

Read More...

Livro: Herdeiros da Fé…

Livro: Herdeiros da Fé

Herdeiros da Fé Livro do Professor…

Leia Mais > Livro:...

Reflexões Nº7 – Centro de Estudos Anglicanos…

Reflexões Nº7 – Centro de Estudos Anglicanos

Comunhão e Compaixão - Lambeth

Read More...

Destaque CEA

IEAB…

IEAB

Conheça o site da IEAB - Igreja Epis…

Leia Mais > IEAB…

Calendário de Assessorias e Projetos Diocesanos 2014…

Calendário de Assessorias e Projetos Diocesanos 2014

A seguir publicamos o Calendário de Asse

Leia Mais > Calendário...

Comunhão Anglicana…

Alterações canônicas para a Educação Teológica na IEAB…

Alterações canônicas para a Educação Teológica na IEAB

[+] Acesse aqui as Mudanças Canônicas...…

Leia Mais > Alterações...

Curso em EAD…

Curso em EAD

    Conheça nos Cursos de Formação…

Leia Mais >Curso em...

Últimos Comentários

  • Novo site, novos tempos
    João Maciel João Maciel
    Olá Equipe do CEA, gostaria de parabenizar a todos que estão nesta missão de partilha do conhecimento ...

    Leia mais ...

     
  • Deixe seu Comentário
    Alessandra Alessandra
    Paz e amor elisandrotc@gmail.com

    Leia mais ...

     
  • História do CEA
    manicure manicure
    Good post. I learn something new and challenging on sites I stumbleupon everyday. It will always ...

    Leia mais ...

© 2013-2017 Centro de Estudo Anglicanos - CEA. Todos os direitos reservados.

Desenvolvimento e Hospedagem de Sites

Salvar

Salvar